quarta-feira, 30 de abril de 2008

Dieta Cetogénica no Tratamento da Epilepsia



A Epilepsia é um dos mais frequentes e graves distúrbios neurológicos. O objectivo do tratamento é controlar todas as crises epilépticas, e normalmente recorre-se ao uso de fármacos antiepilépticos.


No entanto, muitos doentes não reagem à medicação e não dimunem as suas crises. Para eles surge outra hipótese... a Dieta Cetogénica!


A Dieta Cetogénica começou a ser usada como terapia anti-epíléptica no início do século XX e, embora tenha sido esquecuda após os anos 30, está novamente a ser considerada uma terapia válida no tratamento da epilepsia farmaco-resistente.


Trata-se de um regime alimentar rico em gorduras, moderado em proteínas e restrito em hidratos de carbono. Existem diversas modalidades de Dieta Cetogénica, mas em todas a finalidade é induzir cetogénese (produção de corpos cetónicos, que são composto de carácter ácido) de forma sustentada. Desconhecem-se os mecanismos exactos pelos quais a indução de cetogénese conduz à diminuição do número de crises epilépticas.



De acordo com estudos recentes, mais de 50% das crianças submetidas a esta dieta registaram melhoria no número e tipo de crises, sendo que 1/3 conseguiu mesmo redução total, permitindo diminuir ou até suspender a terapia farmacológica.


Neste momento está a decorrer um programa de aplicação de Dieta Cetogénica em crianças, no Hospital Pediátrico de Coimbra, com resultados bastante positivos!



Os benefícios da dieta são principalmente o de evitar os efeitos colaterais dos medicamentos como sedação e alteração do julgamento, bem como economizar em gastos com medicamentos.




Mas, por outro lado, a dieta é muito difícil de ser seguida. Esta estipula que por cada 6 calorias consumidas, 4 devem vir de gorduras e 2 de proteínas e hidratos de carbono. É muito difícil para a criança evitar os hidratos de carbono. As porções devem ser cuidadosamente pesadas e a dieta deve ser supervisionada por um nutricionista treinado na dieta. Além disso a dieta deve ser inicada com um jejum de 24 a 48 horas, que é monitorizado enquanto a criança está hospitalizada, para prevenir hipoglicemia.



É claro que esta é uma dieta que suscita controvérsia, devido á enorme quantidade de lípidos consumidos, podendo ter efeitos fisiológicos negativos. No entanto, são feitas análises regulares para controlar os parâmetros bioquímicos, e os efeitos negativos tendem a desaparecer quando termina a dieta.


Não nos podemos esquecer que em doentes resistentes à medicação, que não reduzem as crises epilépticas, que trazem consequências graves para a pessoa, vale a pena correr o risco e tentar a solução da Dieta Cetogénica!



Fiquei surpreendida com o papel decisivo da alimentação numa patologia neurológica...o que comprova mais uma vez que a Nutrição tem uma função importantíssima em tudo o que diz respeito ao Homem!

17 comentários:

SCAveiro disse...

Sou farmacêutica, e na farmácia onde trabalho há uma menina que está a ser acompanhada no pediátrico de Coimbra e faz esta dieta. Ainda não consegui encontrar explicações para o facto da acidose metabólica induzida pela alimentação reduzir as crises epilépticas, mas é um facto inegável.Sofia

Anónimo disse...

Olá! Sou pediatra e trabalho no Hospital Central da Policia Militar no Rio de Janeiro, tenho uma paciente de 10 meses portadora de microcefalia e convulsão de difil controle, já em uso de diversos anticonvulsivantes e corticoterapia. Gostaria de iniciar a dieta cetogênica, porém não tenho um serviço de nutrição que saiba realizá-la. Preciso de orientações e ajuda. Grata, Tatiana Monteiro. tatimmonteiro@hotmail.com

Anónimo disse...

sou mãe de um menino de 30 messes, que tem crises epiléticas desde os 8 messes, que não são controladas com farmacos, gostaria de contactar com alguêm com uma situação semelhante á minha e que tenha exprimentado este processo da alimentação citogénica. vera.jardins@hotmail.com

neyde disse...

Boa noite, minha filha tem 19 anos gostaria de saber se a dieta tambem teria um bom resultado para essa idade, ela tem epilepsia desde os sete meses, e de um para cá tem sido dificil o controle grata neydesilveiras@hotmail.com

Anónimo disse...

Boa noite,

Tenho uma sobrinha que sofre com crises epiléticas, gostaria de começar esse tratamento com ela, pois já perdemos o irmãozinho dela de 8 anos com a mesma crise. Obrigada
luceduarte@hotmail.com

jo_j-p@hotmail.com disse...

tenho um filho de 3 anos des do 6 meses ele tem crises epileticas ja tomou todos tipos de remedios e ainda nao conceguimos controlar o maximo que ele consegue ficar sem ter e 20 dias e gostaria de fazer este tratamento

Anónimo disse...

ola. Tenho 27 anos e tenho epilepsia tipo Pequeno Mal ou Ausência desde que nasci, tomo 2 anticonvulsivos e consigo o controle da epilepsia generalizada onde ocorrem convulções, a epilepsia tipo Pequeno Mal ou Ausência se não cuidar se torna generalizada, no entanto, não consegui controle da epilepsia tipo Pequeno Mal ou Ausência com diversos medicamentos experimentados desde que nasci. Como os medicamentos não fazem efeito gostaria de começar um tratamento complementar, gostaria que vocês me pasassem uma dieta para adultos que possa me ajudar no combate a esse mal. Aceito dicas de tratamentos alternativos que possam ajudar. obrigado. Julio. juliotavaresoliveira@yahoo.com.br

Anónimo disse...

Tenho um filho de 6 anos e meio, e desde os seis meses de idade começou a ter crises, a principio com uma menor frequencia, mas crises muito fortes, chegando a durar até 30 minutos, presisando sempre de assistencia médica. Hoje, aos seis anos ele tem crises praticamente todos os dias, crises com menor tempo de duração, porém generalizadas, já passamos vários médicos, várias medicações, porém sem qualquer resultado, espero muito por um milagre, pois é a única esperança que me resta, mas enquanto isso não acontece, essa dieta pode ser uma boa alternativa, quem sabe a solução. Por favor me enviem algo, onde consigo orientações, nutricionistas especializados, médicos, sei lá...qualquer coisa que possa me ajudar, não aguento mais ver meu filho sofrendo.email:tisco.scurseli@hotmail.com

sonia lourenço disse...

ola, sou mãe de uma menina com epilepsia completamente refractária, imensoa antipiléticos, corticoides e nada tem conseguido controlar as malditas crises. no entanto continuamos a tentar pois acredito que há-de ser possivel. É aterceira vez que está com a dieta cétogenica e desta vez parece que está a correr melhor. Pode não controlar as crises, mas se as minimiza já é um avanço.
Não custa tentar. Não desistam!!

Anónimo disse...

Bom Dia, meu nome é Ana Paula e tenho um paciente de 5a com epilepsia de dificil controle, e gostaria de saber como faço para encaminhá-lo para dieta cetogênica, já que aqui no Rio não conheço nenhum lugar que faça.
meu email:ap-fernandes@ibest.com.br

Mel Farinha disse...

Bom dia o meu nome é Melissa e tenho epilepsia, graças a esta dieta a minha vida mudou, tinha crises de 6 em 6 meses até q a minha mae resolveu q eu tinha de fazer isto, perdi 25kg e por 2 anos nao tive nenhuma crise, resolvi começar a comer hidratos de carbono novamente e passado um mes tive uma crise, comecei de novo e estou a progredir muito bem, tenho mais dois anos pela frente para diminuir a minha medicaçao mas antes da dieta estava a tomar 500mg de lamictal e hje estou a tomar 100mg, aconcelho a todos os q tem epilepsia a fazer esta alimentaçao pqe eu considero uma cura!

Anónimo disse...

Boa tarde! Sou o Edson tenho uma irmã de 42 anos já tem epilepsia há mais de 10 anos, ela esta sendo acompanhada pelo psicologo e toma 03 medicações gostoria de saber como faço para ela fazer esta diesta cetogenica pois ela com a medicação só fica dopada. muito obrigado!

mike pt disse...

A minha filha de 18 meses vai ter de iniciar uma dieta citogénica, pois a medicação não está a fazer o efeito desejado. Ela tem hipilepsia generalizada mióclonica Astável. Espero que resulte pois pelo que estive a ler me levanta bastantes preocupações. Obrigado a todos.

Anónimo disse...

Olá! Tenho um filho de 6 anos com epilepsia refrataria de dificil controle desde os 5 meses.Já utilizamos diversas drogas e hoje faz uso de 5 anti convulsivantes diferentes, porém sem melhora nas crises mioclonicas onde tem se machucado muito com as quedas. O médico sugeriu a dieta cetôgenica, mas não sei como começar, não conheço ninguém com experiência nessa dieta. Desde já agradeço. Micheli
mifazzani@hotmail.com

Anónimo disse...

Bom dia Mel! Esta boa? Podia me dizer que tipo de dieta fez? Fiquei impressionada.
Obrigada Cumba
O meu email e c_gforever17@hotmail.com

Dra.Jaqueline Araujo disse...

Sou nutricionista clínica e especialista no Tratamento Biomédico do Autismo. Tenho alguns pacientes que chegaram com convulsões recorrentes e após introdução da dieta cetogênica, as crises diminuiram consideravelmente. Não é fácil a introdução da dieta mas é bastante eficiente. É necessário monitoramento bioquímico periódico.

Dra.Jaqueline Araujo
Nutricionista Clínica Funcional - Ortomolecular
Especialista no Tratamento do Autismo
Consultório:
Av.das Américas, 500 Bl.21 sl.247
Barra da Tijuca - RJ
Tel: (21)3153-7561 / (21)8031-9993
www.jaqueline.nutricao.inf.br

ricardo machado disse...

A dieta citogenica ou kitogenic è muito se não a dieta mais saudável para o ser humano um dos médicos é o Dr Peter Attia bem como outros que se quiserem eu passo os nomes esta dieta è também a única que reverte a diabetes tipo 1 e 2 além de ser a melhor forma de emagrecimento natural e saudável mas atenção ela è rica em gorduras boas e são óleo de coco virgem palma virgem azeite virgem manteiga animal de preferência crua a pasteurizada serve mas prefira a crua toda gurdura na carne é para ser consumida óleo como o de oliva primula noz semente de abóbora linhassa tem que ser orgânicos crus prensados a frio frutas como coco abacate e algumas bagas são permitidos couve saladas brócolis vegetais verdes pimentão pepinos um pequeno almoço ou café da manhã seria 2 a 4 ovos caipiras 50 a 100 gramas de carne é uma salada ou vegetais cozidos sempre a acompanhar essas gorduras è muito bom e delicioso